Filha da Caridade que mora no Haiti relata estragos do furacão Matthew

0

Recebemos o relato sobre os estragos do furacão Mathew no Haiti, por meio da irmã Zelinda Caversan, Filha da Caridade e diretora da Escola Vicentina João Paulo II, localizada em Porto Príncipe, capital do país. Segundo a irmã Zelinda, a casa das Filhas da Caridade em Meyer, zona rural, foi atingida, mas todas as irmãs passam bem. Lá elas desenvolvem um projeto junto aos agricultores pobres. A plantação foi toda perdida. Ela diz que a fome vai aumentar. Veja o relato:

“O furacão Matthew atingiu o Haiti com toda a força nos dias 4 e 5 de outubro, domingo e segunda feira, respectivamente.

A capital do País, Porto Príncipe, não foi muito atingida. O furacão foi subindo e passou um pouco ao lado de Porto Príncipe, entre Haiti e Cuba. Em Porto Príncipe houve muita água e muito vento forte, sobretudo na noite de domingo para segunda-feira. Ninguém conseguiu descansar.

Mas graças a Misericórdia de Deus, Porto Príncipe, onde há três comunidades de Filhas da Caridade, e onde, desde o terremoto de 2010, ainda há milhares de famílias em barracas de campanha, não foi muito danificado, não houve vítimas, e nós estamos bem. Houve muita chuva, vento forte, pessoas evacuadas, mas não houve vítimas na Capital.

O grande problema foi o sul do país. A Grande Anse, isto é, Jeremie, o Cayes e Jacmel, onde o furacão passou em cima, despejando água e levando para o ar tudo o que encontrava pela frente.

Soldados da Força de paz da ONU desbloqueiam estradas (Minustah)
Soldados da Força de paz da ONU desbloqueiam estradas (Minustah)

Creio que através dos meios de comunicação vocês podem constatar que a cidade de Jeremie está totalmente destruída, como também a cidade de Cayes e Jacmel, onde houve um grande número de vítimas e de sinistrados.

Na Diocese de Jacmel, precisamente em Meyer, onde há uma comunidade de Filhas da Caridade, uma parte da casa das irmãs foi danificada. Mas as irmãs estão bem.

Três irmãs da Casa Central de Porto Príncipe, (minha comunidade), conseguiram chegar a Meyer três dias após a passagem do furacão e constataram a desolação. Umas vinte casas foram arrancadas e levadas pelo vento. Todos os coqueiros, abacateiros, bananais foram arrancados e jogados por terra. Os agricultores perderam toda a plantação. A fome vai aumentar.

Não longe do Cayes, o Coteau, onde há um lugar de peregrinação de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa, segundo pessoas que vieram de lá, somente duas casas não foram danificadas e ficaram de pé.

Soldados brasileiros estão apoiando a ajuda humanitária (Minustah)
Soldados brasileiros estão apoiando a ajuda humanitária (Minustah)

Há um programa, da parte das irmãs, de irem até o Cayes e Jeremie durante a semana se as estradas derem passagem segura.

Creio que todos constataram que a ajuda humanitária, graças a Deus, está chegando a Jeremie por aviões ou por barcos.

Irmã Zelinda Caverzan – Fille de la Charité”

Pedimos a toda a Família Vicentina que intensifique suas orações em favor da população do Haiti, tão assolada por esses desastres.

Fonte: Site FAMVIN.org/pt

Comente pelo Facebook

Deixe uma resposta