Campanha da Fraternidade: Igreja reflete pelo segundo ano consecutivo sobre questões ambientais

0

Desde a Quarta-feira de Cinzas, os católicos estão sendo motivados a refletir sobre a Campanha da Fraternidade (CF) de 2017, de tema “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”. Quem tiver boa memória vai se recordar que no ano passado, a CF também esteve centrada em questões ambientais, quando levou à reflexão: “Casa comum, nossa responsabilidade”. É que a degradação do meio ambiente, que geralmente causa os principais impactos às pessoas que vivem em situação de vulnerabilidade social, tem se agravado e a Igreja lançado um olhar especial para esta temática, mostrando que o cuidado é com a criação de Deus; e a preservação representa a garantia de vida no planeta.

A equipe de jornalismo do site SSVPBRASIL entrevistou o padre Alexandre Nahass Franco (Congregação da Missão-CM), assessor Espiritual do Conselho Nacional do Brasil da Sociedade de São Vicente de Paulo (SSVP). Ele explica a diferença entre as Campanhas da Fraternidade de 2016 e 2017, além de incentivar como o tema pode ser abordado e trabalhados pelos vicentinos brasileiros.

SSVPBRASIL – O tema da CF de 2016 foi: ‘Casa comum, nossa responsabilidade’. Em 2017 é ‘Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida’. Qual é a diferença dos dois?

Padre Alexandre Nahass.
Padre Alexandre Nahass

Padre Alexandre – Em 2016, a reflexão da Campanha da Fraternidade teve como objetivo assegurar o direito ao saneamento básico para todas as pessoas e o grande empenho, à luz da fé, por políticas públicas e atitudes responsáveis que garantam a integridade e o futuro de nossa Casa Comum. As reflexões sobre o saneamento básico demonstraram que esse é um direito humano fundamental e, como todos os outros direitos, requer a união de esforços entre sociedade civil e poder público no planejamento e na prestação de serviços e de cuidados. A Campanha contribuiu para mobilizar e criar espaços ecumênicos de comprometimento com a Casa Comum (nosso planeta). Um mundo de justiça e direito precisa ser construído assim: coletivamente, somando as criatividades, os talentos e as experiências em benefício do bem comum de todos. Enquanto em 2016, o olhar foi para as políticas públicas, agora em 2017, o olhar é para os biomas brasileiros para defesa da vida na Casa Comum (nosso planeta). O momento nos chama apara cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho. Mas tanto em 2016 como 2017 convida-nos para sermos responsáveis e zelosos pela Casa Comum.

SSVPBRASIL – Já é o segundo ano consecutivo que a Igreja vem trabalhando com as questões ambientes. Por que este olhar voltado ao tema?

Padre Alexandre – A questão ecológica tem sido uma preocupação constante da Igreja, pois é mais um alerta para o cuidado da criação, de modo especial dos biomas brasileiros. A proposta desta Campanha é dar ênfase à diversidade de cada bioma e criar relações respeitosas com a vida e a cultura dos povos que neles habitam, especialmente à luz do Evangelho. A depredação dos biomas é a manifestação da crise ecológica que pede uma profunda conversão interior. Por isso, mais uma vez, vem a preocupação de que o cristão deve ser um cultivador e guardador da obra criada. Cultivar e guardar nascem da admiração. A beleza que toma o coração faz com que nos inclinemos com reverência diante da criação. Eis aqui o importante sentido do olhar para este tema: “A campanha deseja, antes de tudo, levar à admiração, para que todo o cristão seja um cultivador e guardador da obra criada. Tocados pela grandeza e bondade dos biomas, seremos conduzidos à conversão”.

SSVPBRASIL – De que forma a CF pode impactar as vidas dos vicentinos e assistidos?

Padre Alexandre – Acredito que a Campanha possa ajudar os vicentinos a aprofundarem o conhecimento de cada bioma, de suas belezas, de seus significados e a importância para a vida no planeta, particularmente para o povo brasileiro. As Conferências devem reforçar o compromisso com a biodiversidade, os solos, as águas, nossas paisagens e o clima variado e rico que abrange o Brasil.Temos muitos assistidos que vivem em situação de vulnerabilidade social, morando em aéreas de risco. A Campanha poderá ajudar a compreender o impacto das grandes concentrações populacionais sobre o bioma em que se insere. Neste sentido, é fundamental que a SSVP se articule com organizações da sociedade civil, centros de pesquisa e todas as pessoas de boa vontade que querem a preservação das riquezas naturais e o bem-estar do povo brasileiro, sobretudo dos mais Pobres.

SSVPBRASIL – Como o senhor desejaria que os vicentinos brasileiros vivenciassem esta campanha?

Padre Alexandre – Os vicentinos devem insistir no compromisso das autoridades públicas para que assumam a responsabilidade sobre o meio ambiente e a defesa dos Pobres que sofrem com a crise ecológica. As Conferências podem realizar gestos concretos que demonstrem o compromisso com a questão ecológica: plantio de árvores, coleta seletiva do lixo, oficinas com assistidos utilizando materiais recicláveis, leituras espirituais nas Conferências de textos do manual da Campanha da Fraternidade, orientação sobre a questão ecológica às famílias assistidas que residem em área de risco, caminhadas ecológicas com a juventude vicentina, envolvimento nas Paróquias que realizarem gestos concretos a partir da Campanha da Fraternidade e tantas outras atividades que façam com que a SSVP seja comprometida com os diversos biomas brasileiros, sobretudo na defesa da vida dos Pobres.

SSVPBRASIL – Aberta. Pode completar com a informação que julgar necessária.

Padre Alexandre – Nesta Campanha, devemos considerar dois pontos importantes:

– É necessário continuar insistindo na construção de uma nova forma de pensar a questão econômica e ecológica que atenda às necessidades dos mais Pobres, respeitando a natureza.

– Continuar insistindo no desafio da conversão ecológica a que nos chama o nosso Papa Francisco na carta encíclica “Laudato Si” e sua relação com o espírito quaresmal.

Fonte: Redação do SSVPBRASIL

Comente pelo Facebook

Deixe uma resposta