Entenda a importância da Contribuição da Solidariedade

0
14
Confrade Valter Castro, 1º tesoureiro do CNB.

Se existe um verbo frequente na vida dos vicentinos ele é o ‘doar’. Os confrades e consócias doam alimentos, amor, esperança de uma vida melhor e tempo às pessoas assistidas pela Sociedade de São Vicente de Paulo (SSVP). Agora, no início do ano, eles são convidados a mais um gesto de caridade e despojamento: a Contribuição da Solidariedade. Esta é uma coleta feita no primeiro trimestre, destinada ao Conselho Nacional do Brasil (CNB). Cada membro da instituição é convidado a contribuir com pelo menos 1% do salário mínimo vigente. O dinheiro é usado para financiar os Projetos Sociais (de promoção social), as ações do Departamento Missionário e para fundos de emergência, como por exemplo, auxiliar lugares atingidos por tragédias.

Em entrevista ao site SSVPBRASIL, o confrade Valter José de Castro – primeiro tesoureiro do CNB – explica a importância das Unidades Vicentinas promoverem a Contribuição da Solidariedade e afirma que “a doação é forma de testemunhar pelo exemplo”.

SSVPBRASIL – Os vicentinos dedicam parte do seu tempo à SSVP. Mesmo assim, por que é importante que eles façam esta doação financeira?

Confrade Valter – É bem verdade que uma das maiores contribuições dos vicentinos é a doação de seu tempo, principalmente se considerarmos a dinâmica do mundo moderno. Podemos considerar que quem doa o seu tempo está praticando um gesto de partilha muito expressivo, pois acaba por doar um pouco de si mesmo, de sua própria vida. Assim, se temos a capacidade de doar um pouco de nós, penso que doar um pouco daquilo que temos em termos materiais será muito mais fácil, não é mesmo? Será que os recursos que possuímos são mais importantes que o tempo que doamos e que a nossa própria vida? É muito importante fazermos a reflexão de que vivendo numa sociedade capitalista, se não fizermos também a nossa partilha material, além de diminuir a nossa capacidade de testemunhar pelo exemplo, menos pessoas serão auxiliadas e, assim, ficaremos mais parecendo pessoas apegadas do que pessoas solidárias pela partilha dos seus próprios bens e recursos.

SSVPBRASIL – De que forma o dinheiro arrecadado em 2017 deve ser utilizado?

Confrade Valter – O foco dos recursos arrecadados com a Contribuição da Solidariedade está voltado para investimento em Projetos Sociais e para a constituição de um fundo de reserva para auxiliar as Unidades Vicentinas brasileiras em momentos emergenciais, como por exemplo, quando ocorrem enchentes. É bom esclarecer que o valor arrecadado em 2017 será utilizado no ano seguinte, pois ainda tem ocorrido de muitas Unidades Vicentinas atrasarem o repasse dos valores arrecadados ao CNB, em desacordo com o dispositivo regulamentar que estabelece que os valores arrecadados devem ser recolhidos até o dia 30 de abril de cada ano.

SSVPBRASIL – A expectativa é de que seja arrecadado quanto?

Confrade Valter – Esta é uma pergunta muito interessante, pois nos provoca à seguinte reflexão: “Quem mais doou quando esteve no templo, o fariseu que depositou uma grande oferta e se vangloriou disso ou a viúva que com a oferta de apenas duas moedas de pequeno valor ofertou tudo que tinha e mesmo assim, se sentiu indigna?”. Reflita: se levarmos em conta o dispositivo regulamentar que nos orienta a doação de 1% do salário mínimo vigente no Brasil e multiplicarmos pelo número de vicentinos brasileiros, penso que teríamos uma arrecadação em torno de R$1,5 a R$2 milhões. Porém, a reflexão que mais me martela a cabeça é que poderíamos oferecer um valor expressivamente maior para os Projetos Sociais e, caso tivéssemos uma arrecadação mais expressiva, poderíamos expandir muito mais nosso olhar de caridade para outras frentes de necessidade, como por exemplo a difícil situação que passam muitas de nossas Obras Unidas.

SSVPBRASIL – O que o senhor diria para motivar os vicentinos a doarem nesta Contribuição?

Confrade Valter – Caríssimos irmãos e irmãs de caminhada, com muita frequência utilizo nas oportunidades que tenho para falar nas atividades e eventos vicentinos que meu maior sonho e esforço na SSVP é para que sejamos cristãos e vicentinos cada dia mais bem preparados e formados no que se refere a nossa espiritualidade cristã e vicentina. Por meio da nossa espiritualidade e de uma fé viva, traduzida na prática da verdadeira caridade, é que alcançaremos nossa santificação. Participar de cada gesto de partilha vai nos moldando aos poucos, dia após dia, na figura do bom samaritano que nos deixa um exemplo de partilha em um plano muito maior do que nós temos praticado, pois nos exemplifica de maneira prática uma doação completa, pois doa do seu tempo quando interrompe sua viagem para socorrer o próximo caído, doa de suas forças para colocá-lo na sua montaria e seguir até a hospedaria caminhando, doa de seus recursos quando paga pelo tratamento do próximo, enfim, doa na totalidade do seu ser a si mesmo. Não é isso que rezamos nas orações finais de nossas reuniões vicentinas? Assim rezamos: “… deem com a mais boa vontade aos pobres o que possuem e mais ainda se deem a si mesmos”. Gostaria que nós pensássemos hoje que a Contribuição da Solidariedade, entre outras, é uma oportunidade que o Senhor nos oferece de sermos mais cristãos, mais vicentinos, mais caridosos.

SSVPBRASIL – Aberta. Pode completar com a informação que julgar necessária. 

Confrade Valter – Aproveitando o ano de 2017 que se inicia e nos propõe a reflexão do ano temático “CONTRA AS POBREZAS, AGIR JUNTOS”, que possamos fazer um compromisso de crescermos em nossa espiritualidade vicentina. Que os eventos ocorridos na vida de São Vicente de Paulo em Gannes-Folleville e Châtillon, que são marcas significativas dos 400 anos do carisma vicentino, reforcem em nós a vontade de ser melhores e de buscarmos por meio da prática das obras de misericórdia espirituais e corporais o alimento que nos renove e fortaleça para que o doar-se a si mesmo nos torne mais semelhantes ao Cristo Missionário e Evangelizador dos Pobres.

TOME NOTA

A Contribuição da Solidariedade foi criada para substituir a Contribuição do 11 Bis, que vigorou no Brasil a partir de 1980. “A anterior, recebeu este nome curioso pelo fato de ser inserida no Regulamento exatamente na parte que tratava da arrecadação, no artigo 11”, relembra o confrade Hélio Pinheiro da Cunha, membro do Conselho de Ética do CNB.

Segundo o vicentino, foi uma época de muitas desavenças na Sociedade, pois muitos vicentinos  não aceitavam a Contribuição 11 Bis, pelo fato de ela estipular a base de cálculo em dólar . E não havia outro modo, pois vigorava para todo o mundo.

Essa modalidade de Contribuição vigorou até a entrada em vigor do atual Regulamento, instituindo duas Coletas: a de Ozanam (destinada ao Conselho Geral Internacional) e a da Solidariedade (com recursos para ações do CNB).

Fonte: Redação do SSVPBRASIL

Comente pelo Facebook

LEAVE A REPLY