A oração do Pai Nosso

"Reze silenciosamente a oração do ‘Pai Nosso’, suplicando a Deus que Lhe conceda perseverança no amor e serviço aos mais Pobres".

0

Podemos dizer sem medo de errar que a oração do ‘Pai Nosso’ é uma das mais belas orações do cristão. Porque quem nos ensinou foi o próprio Cristo. É uma oração rica, completa e apresenta tudo o que nós como seus filhos e filhas precisamos pedir e dizer a nosso Pai.

Mas hoje, enfatizaremos uma frase desta oração: “Venha a nós o teu Reino”.

Este é o nosso desejo. De que o Reino de Deus aconteça já em nosso meio, já em nossa realidade e não somente depois de nossa morte.

Que tipo de Reino desejamos? Um Reino de justiça, paz e igualdade…

Por isso, acreditamos que o Reino de Deus ultrapassa as paredes das Igrejas e está presente em todos os lugares onde reina o amor e a justiça.

Falar de amor e justiça nos remete ao pensamento de que o Reino de Deus é uma “boa notícia” aos Pobres (5,3), que são as principais vítimas do sistema.

O Reino de Deus só se realizará quando cada pessoa que assume o projeto de Jesus estiver disposta a viver a justiça: “Buscai primeiro o Reino de Deus e sua justiça, e tudo mais vos será acrescentado” (6,33).

É preciso sim trabalhar para que este Reino esteja presente no meio de nós em cada gesto de justiça e caridade.

A CARIDADE E O CARISMA VICENTINO

Existem muitas formas de expressar o Carisma Vicentino. Uma das maneiras de dizer é que o Carisma Vicentino acompanha os Pobres na construção do Reino de Deus.

Conforme refletimos acima sobre a oração do ‘Pai Nosso’, o Reino de Deus é o centro da vida e missão de Jesus. É a proclamação, por palavras e obras, da vitória de Deus sobre o mal.

Jesus confronta a má notícia que Ele observa em nosso meio com a BOA NOTÍCIA que nos assegura que o mal está sendo vencido.

O Papa Paulo VI na exortação apostólica EVANGELII NUNTIANDI, de 08 de dezembro de 1975, diz assim:

“Como o núcleo e centro de sua Boa Nova, Jesus anuncia a salvação, este grande dom de Deus que é libertação de tudo o que oprime ao homem, porém, que é sobretudo libertação do pecado e do maligno, dentro da alegria de conhecer a Deus e de ser conhecido por Ele, de entregar-se a Ele” (EN 9).

A Igreja existe para evangelizar e anunciar o Reino de Deus. É neste contexto de missão que o carisma vicentino de servir ao Pobre em corpo e espírito precisa ser compreendido. Vicente de Paulo nunca se cansou de dizer que nós participamos na missão de Cristo. Pregamos o Reino de Deus e sua Boa Notícia por palavras e gestos de caridade.

Para todo vicentino, a caridade e evangelização são inseparáveis. A caridade é nosso serviço corporal e espiritual para com os Pobres. Nós evangelizamos, tornando afetiva e efetiva a Boa Notícia por meio da caridade.

CONCLUSÃO

Estamos prestes a celebrar os 400 anos do Carisma Vicentino. A experiência de Vicente de Paulo em Folleville e, depois em Chatillon, foram fundamentais para que a caridade ultrapassasse a barreira do simples distribuir esmola, mas que fosse uma caridade organizada.

Aquele povo que atendeu ao pedido de Vicente de Paulo, feito durante a Missa para ajudar aquela família, muito provavelmente sentiu-se feliz por ter sido solidário com aqueles Pobres.

Mas Vicente de Paulo foi além. Ele insistiu na prática da caridade. Uma caridade que é organizada. Uma caridade que dá a mãos aos Pobres e ajuda a levantá-los para que Eles voltem a ser responsáveis pela Sua própria vida com a dignidade de filhos de Deus.

Ao final desta leitura, reze silenciosamente a oração do ‘Pai Nosso’, suplicando a Deus que Lhe conceda perseverança no amor e serviço aos mais Pobres. Que o Reino de Deus se torne uma realidade e que cada gesto de caridade praticado por você tire mais pessoas da situação de pobreza, e que elas vivam a alegria de sentirem-se amadas por Deus.

Pai Nosso, que estais no céu…

Padre Joelson Sotem – Congregação da Missão

Comente pelo Facebook

Deixe uma resposta